ENTRETERIMENTO/EVENTOS

CINE METRO É RECRIADO EM DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO INÉDITO E INOVADOR “CINE METRO: EXPERIÊNCIA IMERSIVA”

CONTRUÍDO NO CENTRO DO RIO EM 1936 E FECHADO DESDE 1997, LUXUOSO CINEMA DA MGM É MINUCIOSAMENTE RECONSTITUÍDO EM REALIDADE VIRTUAL NO DOCUMENTÁRIO “CINE METRO: EXPERIÊNCIA IMERSIVA”, DO DIRETOR EDUARDO CALVET, JÁ ACUMULANDO PRÊMIOS E PARTICIPAÇÕES EM FESTIVAIS DE TODO O MUNDO

Por: Fábio Cezanne

Os áureos tempos dos luxuosos cinemas de rua voltaram à realidade! Pelo menos na Realidade Virtual, porém deixando pegadas de verdade em mostras e festivais internacionais de cinema em diversos cantos do mundo por conta do seu ineditismo. Assim se destaca “Cine Metro: Experiência Imersiva”, filme documental em realidade virtual do diretor Eduardo Calvet que transporta o espectador diretamente para a sessão de estreia do Cine Metro Passeio, realizada com muitas pompas e sofisticação em 1936, no Centro do Rio de Janeiro. O documentário já nasce, simultaneamente, clássico e inovador, uma vez que não há registros, no mundo, de outro filme documental sobre cinemas antigos produzidos em realidade virtual.

A emocionante viagem no tempo percorre o luxuoso palácio de cinema carioca do século XX, construído pela MGM na Rua do Passeio – o primeiro a dispor de ar-condicionado na época – funcionando até 1964, sendo substituído pelo Metro-Boa Vista, e desativado em 1997. Com produção da IDEOgraph e apoio do Programa de Pós-Graduação em Mídias Criativas (PPGMC), da UFRJ, depois de percorrer desde abril mostras em Portugal, Suíça, Alemanha, Inglaterra e Colômbia, a produção imersiva de quase 10 minutos acaba de ser selecionada para o BIAF, festival internacional de animação na Coréia do Sul (de 22 a 26 de outubro de 2021) – também em outubro, participará de festivais na Rússia, Hungria e Porto Rico, fechando a agenda do ano na Inglaterra, em novembro (Aesthetica Short Film Festival 2021).

Fruto do projeto de pesquisa do Mestrado em Comunicação, “Cine Metro: Experiência Imersiva” tem o mérito de contextualizar o passado para a contemporaneidade através de uma experiência imersiva em vídeo 360º e amplamente acessível. A pesquisa realizada pelo diretor Eduardo Calvet baseou-se em uma coleta de vestígios consideravelmente ampla, que incluiu periódicos de grande circulação (Jornal do Brasil, Correio da Manhã, Diário Carioca, Revista Cine Arte), folhetos de programação, livros, artigos, dissertações e teses acadêmicas, sites e também visitas ao edifício que efetivamente abrigou o cinema. A pesquisa também se baseou em relatos orais, já que boa parte das informações sobre o interior do prédio – como cores e texturas – foram encontradas a partir da memória de frequentadores da época.

A partir de fotografias e modelos originais, foi possível reconstruir, com muita fidelidade e apuro técnico, a experiência única de se frequentar o Cine Metro Passeio dos anos 30: o contraste das fontes na marquise, as formas decorativas do foyer no estilo D. João V, os refinados traços do mobiliário, a proporção volumétrica e curvatura da grande sala de exibição, os detalhes de iluminação, a distribuição da plateia em níveis, a tonalidade das poltronas e a diferença de ruído entre a rua e a poltrona. Em termos sonoros, o espectador pode ouvir elementos importantes de espacialização com o respectivo cálculo de proximidade e movimento de cabeça do observador: as então inovadoras luzes em neon na parte externa do imponente edifício, o gongo, o som característico dos projetores e os múltiplos elementos de cada ambiente.

Vale ressaltar que salas de exibição cinematográfica foram os espaços de maior difusão artística e cultural do século XX. De sua incipiente origem em 1888 até seu domínio cem anos depois, a sétima arte evoluiu mobilizando recursos humanos e materiais em proporções inimagináveis ao meio cultural dos anos 1900. Tão importante quanto o filme projetado, a ambiência criada pelo espaço físico de exibição era extremamente valiosa: o conforto dos assentos, a plasticidade dos contornos arquitetônicos, o refinamento da decoração, a maciez dos carpetes, o isolamento acústico impecável. Tais requisitos faziam da visita aos cinemas não apenas uma supressão do desejo pela obra, e sim um evento social atrelado ao próprio ritual de expectação, uma experiência sensorial apuradíssima, que teve seu primeiro auge brasileiro exatamente no final dos anos 1930, com espaços como o Cine Metro, conhecidos como “palácios cinematográficos” (movie palaces).

O filme documental de Calvet busca reproduzir, com a máxima fidelidade nos detalhes, a sessão de estreia deste cinema icônico, em 1936, com o filme “O Grande Motim”, com Clark Gable no elenco. Através de trechos de jornais e revistas da época, foram criados os textos de locução, cuja versão em inglês, inclusive, baseou-se em publicações americanas que noticiaram a inauguração do Cine Metro, como os periódicos Variety e Motion Picture Herald, dentre outros. Por conta da escassez de documentos e registros oficiais, a reconstrução tridimensional e todo o cálculo do espaço interno foram formulados a partir de detalhada observação das fotos, a geometria das imagens, a proporção dos elementos dispostos e a planta baixa, conseguindo alcançar um resultado com a configuração original mais provável. Os espaços reconstituídos foram modelados em altíssima resolução com mais de 25 milhões de polígonos no modelo 3D, somando os quatro ambientes do cinema: área externa, sala de exibição, antessala e sala de projeção – utilizava-se, na época, quatro projetores, no mínimo, para atender às limitações tecnológicas (os filmes vinham em rolos, havia também a necessidade de um projetor reserva e outro para a exibição dos slides dos anúncios e “trailers” prévios de cada exibição).

“Ainda que acontecimentos passados não possam ser revisitados de forma ativa, as ferramentas exploradas em “Cine Metro: Experiência Imersiva” nos transportam para momentos indeléveis da vida social de uma geração: hábitos, costumes e dinâmicas”, comenta Calvet. “Pistas preciosas, de valor inestimável na pavimentação do caminho de quem somos hoje enquanto sociedade… se não é possível viajar no tempo, pelo menos podemos reconstruir em realidade virtual um mosaico digital de fragmentos de nossa herança cultural, que pode trazer subsídios poderosos e proporcionar um verdadeiro legado para as gerações futuras”, conclui.

Cine Metro Cine Metro

 

 

 

 

 

 

Related posts

ALCIONE RESPONDE AO PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO PALMARES, “EU NÃO NASCI COM MARCAS DE CHIBATA”.

Marco Moraes

Jazz na Lapa! Adaury Mothé + Maurício Einhorn no Spaço Fractal

Marco Moraes

ISA COLLI PARTICIPA DO MAIOR EVENTO MUNDIAL PARA ESCRITORES BRASILEIROS O “FOCUS BRASIL NEW YORK”

Marco Moraes

Comentar